quinta-feira, 24 de julho de 2014

INFORMAFi - Informativo do FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco

O INFORMAFi - INFORMATIVO DO FÓRUM DE MULHERES NO FISCO (FMFi) -  ANO I - N° 2 – traz matérias de janeiro a julho de 2014
 “Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.” Rosa Luxemburgo
DESTAQUES DE CAPA
1.   FMFi em Cuba
na foto: UNEAC - Isbel, Rogelio e Nieves
FMFi - Gláucia, Alexandrina, Glauba, Marlene e Luca 
Fórum vai à Cuba e se reúne com as entidades: FMC - Federação de Mulheres Cubanas e UNEAC – União de Escritores e Artísticas Cubanos, visita centros históricos, participa de encontros internacionais e celebra com gente do mundo inteiro a Grande Marcha do 1º de Maio na Praça da Revolução, em Havana. Encarte
2.   Mulheres do FMFi candidatas

Participação das mulheres coordenadoras do Fórum nas eleições 2014

Duas Coordenadoras do Fórum de Mulheres no Fisco são candidatas a Deputada Estadual no Ceará

As candidatas: 
Ana Maria Ferreira Cunha
é Coordenadora de Ações Políticas do FMFi, Diretora Intersindical do SINTAF/CE e Coordenadora de Comunicação do FUASPEC 
Valéria Mendonça
é Coordenadora de Saúde do FMFi, Coordenadora Geral do Movimento Março Lilás, Diretora Nacional de Gênero da FENASEPE e Coordenadora Geral do Outubro Rosa no Ceará P 6

3.   Mulheres no Fisco do Março Lilás
Evento histórico do FMFi com importantes parcerias

No dia 28 de março, o FMFi promoveu grande evento: Mulheres no Fisco do Março Lilás. O encontro aconteceu no hotel Sonata de Iracema, em Fortaleza,  e contou com a participação das entidades de mulheres que promovem anualmente o Março Lilás. Na ocasião, diversas atividades foram realizadas envolvendo os participantes durante toda a sexta-feira. Palestras, reflexões, depoimentos, denúncias e debates constituíram o programa do encontro, marcado pela harmonia num clima de confraternização alternado com muita arte. P 5
Algumas matérias nesta Edição:
CARTA LILÁS – Editorial reafirma compromissos resultantes do evento Março Lilás P 2
8 de Março – Dia Internacional da Mulher e FMFi na Praça P 6
FMFi condena vigilância eletrônica na SEFAZ/CE P 3

IMPRENSA – FMFi no Mundo do Trabalho P 6

TRIBUTO CULTURAL- Comenda MULHER NO FISCO P 8


EDITORIAL – CARTA LILÁS

Nós, mulheres reunidas em Fortaleza, neste dia 28 de março, representando grupos, entidades, fóruns e organizações de lutas de mulheres no Ceará reafirmamos nossa determinação de manter firmes nossos sonhos, ideais e compromissos em defesa dos direitos femininos e pela igualdade de gêneros em todas as esferas sociais no Ceará, no Brasil e no mundo.
Reiteramos nossa convicção de que o modelo socioeconômico vigente é profundamente pernicioso aos avanços sociais e aos direitos das mulheres e das minorias porque elitista, excludente, segregacionista e concentrador de poder e riqueza. Tal modelo, gerador de crises frequentes, se regula por contradições nocivas e antagonismo profundos - impossibilitando a harmonia e o equilíbrio necessários à vida social e às relações humanas.
Os movimentos, entidades, organizações e fóruns reunidos nesta oportunidade e tendo à frente o FMFi e o MML – Movimento Março Lilás,  reconhecem a necessidade imperiosa de continuar lutando pela superação desse modelo e na perspectiva de uma nova sociedade segundo defendia Rosa Luxemburgo, “por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres”.
O Fórum de Mulheres no Fisco (FMFi) é um movimento organizado e autônomo que nasceu no seio da categoria fazendária e tem em sua filosofia a defesa dos movimentos sociais, do Estado Democrático, da liberdade de expressão e da igualdade com justiça social. Luta por um ideal de equidade entre homens e mulheres e compreende seu papel como agente social no fisco.
As lutas das mulheres em defesa de sua condição humana feminina tem origem ainda em séculos passados e se percebem mais intensas com os avanços tecnológicos que
deram origem às ditas revoluções industriais dos séculos XVIII e XIX, quando se aguçaram as contradições sociais a partir da divisão social do trabalho. A exploração do trabalho humano com extensas jornadas diárias que chegavam a 16 horas incluía as mulheres e crianças, sujeitas a uma relação aviltante degradando sobremodo a qualidade de vida da categoria trabalhadora.
Com o passar dos anos, à medida que se ampliavam as formas de exploração e se agravavam as condições de trabalho, as mulheres foram adquirindo consciência dos seus direitos e deram início a mobilizações cada vez mais intensas e consistentes. Os resultados das novas formas de lutas foram violentos e forjaram mártires como as operárias nova-iorquinas queimadas vivas, impedidas de saírem da tecelagem onde protestavam contra os baixíssimos salários, exaustivas jornadas e as péssimas condições de trabalho a que eram submetidas.
Em outras esferas, como os direitos civis, as lutas das mulheres também se fizeram notar. No Brasil, o primeiro direito feminino ao voto foi garantido em 1927, quando a
professora Celina Guimarães Viana adquiriu o registro para votar, o que a aponta até hoje como sendo a primeira eleitora do país - fato que se deu em Mossoró (RN). Com o advento da Revolução de 1930 e dez anos depois da criação por Bertha Lutz da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, o movimento sufragista conseguiu a grande vitória em 1932 com a inclusão do direito ao voto feminino na Constituição daquele ano.
No campo da saúde, as lutas das mulheres também se fazem notar com conquistas importantes como a universalização dos serviços do SUS com prioridade na atenção básica e o respectivo direito à realização periódica e regular de exames como o papanicolau, a mamografia a partir dos 40 anos e a vacina anti HPV a partir dos dez anos em todas as meninas brasileiras. São conquistas que chegam após muitas lutas e
mobilizações permanentes.
 Hoje, a maior luta é combater a violência praticada contra a mulher, desde o ambiente familiar até os locais de trabalho com o assédio moral e o assédio sexual, atingindo o maior de todos os crimes, o feminicídio crescente em todo o país e contra o qual toda a sociedade deve se mobilizar.

Transformar a realidade é preciso

         Nesse diapasão, reiteramos o ALERTA: na luta contra a violência à mulher, denunciemos todo e qualquer tipo ou ato de ameaça e agressão. Não calemos. Denunciemos! Ligar 180 – é um serviço telefônico da Secretaria de Política para Mulheres, de orientação às vítimas de violência sexual.
          A conquista da
Lei Maria da Penha - 11.340/2006, imprescindível às mulheres, vem atenuar uma dívida histórica como o machismo, a homofobia e outros tipos de discriminações como a praticada contra deficientes, entendendo que por séculos as mulheres foram privadas de si para ser propriedade do homem. Dívida social e política.

Nós, mulheres reunidas nesta oportunidade, reiteramos o compromisso incondicional com a transformação dessa sociedade. Reafirmamos a nossa determinação na defesa da equidade de gêneros, do empoderamento das minorias, das mulheres negras e mães, da defesa das artes, dos esportes e da cultura, defesa de toda e qualquer expressão intelectual do pensamento humano e da preservação da natureza.

Fortaleza, 28 de março de 2014

Coordenadoras do Fórum
Gláucia Lima (f2)
Mª de Lourdes Montenegro (f3)
e Ana Maria Cunha (ao microfone)
Ato na CEXAT Água-Fria (SEFAZ/CE)
 Primeiro planejamento estratégico
Coordenado por Cícero Cavalcante, o encontro foi fundamental para delinear os desafios iniciais do Fórum de Mulheres no Fisco, entre eles, a estruturação.
Definiu-se como prioridade a participação em organizações e atividades relacionadas à questão das mulheres e minorias; Entre as ações, participar da organização e realização do Dia Internacional da Mulher (8 de Março), em Fortaleza; atuar nas lutas por políticas públicas para as mulheres. O próximo passo será a elaboração do Regimento Interno.

Coordenadoras do FMFi Zenilse Rebouças,
Marlene Oliveira, Alexandrina Mota e Gláucia Lima.
Traçar estratégias em um plano de ação para o FMFi é necessário e imprescindível nessa fase, assim como em toda organização. “Após o lançamento, percebemos que é preciso efetivar ações para, na prática, compreender o seu valor. Nesse sentido, o Fórum precisa viabilizar urgentemente junto às entidades apoiadoras uma estrutura que possibilite minimamente desenvolver o potencial do FMFi. E, de acordo com as matrizes de ações preocupadas e atentas às mulheres e minorias, atuar em condições dignas priorizando a saúde e a não violência à mulher”, afirmo a Coordenação Geral, segundo, ainda, Mulheres no Fisco tem dado mostras de suas potencialidades, apresentando-se inclusive internacionalmente. Assim, ressaltou, cabe aos apoiadores compreender a necessidade de dar vazão a tantos empreendimentos.
Coordenadoras do FMFi - Zenilse Rebouças, Marlene Oliveira,
Alexandrina Mota e Gláucia Lima do lado esquerdo e do lado
direito Ana Maria, Sandra Pedrosa e Gláuba Rocha
“Acreditamos que juntando essas forças conseguiremos os objetivos sonhados”, concluiu Gláucia.
Assessor técnico e membro do Conselho Consultivo do FMFi,
Cícero Cavalcante - lado esquerdo, Coordenadoras do FMFi
 - Gláuba Rocha, Sandra Pedrosa e Ana Maria, lado direito, Gláucia Lima, Marlene Oliveira e Zenilse Rebouças

Usar câmeras é distorcer a realidade fazendária
Vigilância eletrônica é assédio moral e assédio moral é crime.

Vigilância para quem precisa!

A quem de fato interessa esse projeto da SEFAZ/CE?
Ato contra câmeras de vigilância aconteceu na Praça do Fazendário, sede I da SEFAZ, e em várias unidades da instituição, contou com a participação do Fórum de Mulheres no Fisco (FMFi), reforçando sua deliberação de total apoio à categoria fazendária e Repúdio às câmeras de vigilância.
A SEFAZ/CE instala câmeras de vigilância ostensiva e invade a privacidade do servidor 
Na contramão dos modelos de administração que estão sendo implantados no serviço público e nas empresas atualmente, a Administração da Sefaz, num claro sinal de retrocesso, instala
 câmeras de vigilância "em cima da cabeça dos servidores", literalmente.
Coordenadoras do FMFi
Mª de Lourdes Montenegro e
Ana Maria Cunha (ao microfone)
Ato na CEXAT Água-Fria (SEFAZ/CE)
“Nós não precisamos de câmeras para produzir melhor. Precisamos, sim, de boas condições de trabalho, qualificação e respeito à nossa dignidade”. Esse foi o recado dos servidores da Cexat Centro e outras unidades da Secretaria da Fazenda que paralisaram as atividades em repúdio à instalação de
câmeras de vigilância nos ambientes internos das unidades fazendárias.
Rita Franco, servidora (ao microfone)
Ato na CEXAT Água-Fria (SEFAZ/CE)
‘‘Se é para garantir a segurança, por que as câmeras não são instaladas nas áreas externas? Está claro que o objetivo da Administração é intimidar o fazendário, levando-o à percepção de que está o tempo
todo sob vigilância", destacou um dos diretores do Sintaf. O FMFi se solidariza às lutas dos fazendários cearenses.
Leia mais sobre a Vigilância na Sefaz Ceará no blog do FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco, link seguinte:

Assédio Moral – a Lei e o Crime cometido pelo governo cearense

http://t.co/eeZP1PH4x3

_Fonte também Site SINTAF/CE: FMFi Planeja Ações - http://www.sintafce.org.br/noticias_detalhes.php?cod_noticia=5685&cod_secao=1


Mulheres no Fisco do Março Lilás
Legenda da foto: Mesa de abertura da esquerda para direita: Gilvânia Martins, representante da Fenafisco; Drª Magnólia Barbosa, Procuradora do Ministério Público/coordenadora do Núcleo de Gênero Pró-Mulher do Ceará; Ana Maria Ferreira, diretora do  intaf/CE/coordenadora do FMFi; Gláucia Lima, coordenadora do FMFi; Rita Josina, presidente da AFBNB/membro do Conselho Consultivo do FMFi; Elenilda Santos, presidente da AAFEC; Joelina Barros, diretora da Fundação Sintaf; Valéria Mendonça, coordenadora do Movimento Março Lilás e do FMFi
FMFi realiza grande evento dentro da programação do Março Lilás
Mulheres no Fisco do Março Lilás reuniu número expressivo de participantes e foi coroado de sucesso pela diversidade de atrações, receptividade da platéia e o clima marcante de harmonia e leveza feminina.
           
Representantes das mais variadas organizações de mulheres estavam presentes no hotel Sonata de Iracema, em Fortaleza. Apesar da leveza ambiente, protestos e denúncias de agressões sofridas pelas mulheres vieram à tona através de depoimentos e registros de casos na família, no trabalho, nos transportes públicos, ruas e praças de Fortaleza, do Ceará e do Mundo.
Almoço com Arte:      
Rebeca Câmara e Adriana Martins
Também houve momentos de muita descontração proporcionados pelas palestrantes e educadoras convidadas, Almoço com Arte foi proporcionado pela apresentação musical de Rebeca Câmara e Adriana Martins. Ao final, um Coquetel com show de Cumpade Barbosa e as Cumade e o compromisso de elaboração da Carta Lilás (Editorial, página 2).
O vídeo institucional de apresentação do FMFi, as duas intervenções da Drª Magnólia Barbosa, Procuradora do Ministério Público e coordenadora do Núcleo de Gênero Pró-Mulher do Estado, a palestra e dinâmica da educadora física e instrutora da AAFEC Liliane Dias, a peça teatral baseada em texto de Molière da Troup Tramas de Teatro, o imprescindível apoio médico e de enfermagem oferecido pela Cafaz, a leitura do cordel Maria da Penha, a palestra da Dra. Violeta Holanda, professora da Unilab e coordenadora de um grupo de estudos sobre excluídos, a exposição de fotos ‘‘Elas e as Janelas’’, da engenheira Elzira Saraiva do Esplar, e a exposição artesanal de rosas, bonecas e quadros em EVA da coordenadora do FMFi Glauba Rocha deram o tom de leveza, harmonia e sensibilidade feminina ao encontro.
Coquetel e show de
     Cumpade Barbosa e as Cumade
O evento também foi marcado por reflexões interessantes em que a condição feminina foi dissecada nos mais variados aspectos de suas relações familiares, laborais, religiosas e sociais e teve excelente receptividade entre todos os presentes.
Os debates levados a efeito entre plateia e palestrantes também serviram para esclarecer sobre temas relevantes para as mulheres. FMFi marcou ponto importante com este evento.
Destacamos:
_Cerimonial feito por Patrícia Guabiraba, jornalista do SINTAF/CE
_Liliane e platéia interagem em dinâmica musical
_Carmem, aluna da UNILAB, em forte depoimento, fala de suas experiências com a violência doméstica
_Dra. Violeta Holanda, profª da UNILAB, fala do seu trabalho com grupos de diversos gêneros na UNILAB
_Dra Magnólia Barbosa, procuradora de Justiça, relata experiências com mulheres agredidas e traz furos de informações, ainda não divulgado pela imprensa, na ocasião
_Theodora e Carmem, estudantes africanas da UNILAB deram emocionantes depoimentos
_Teatro baseado em peça de Mlière_Rebeca Câmara e Adriana Martins: dueto sonoro em hora de Almoço
_Assessor do FMFi Cícero Cavalcante e Mulheres militantes
_Enfermeiras da CAFAZ: apoio imprescindível
_Cordel da Lei Maria da Penha é bem recepcionado
Mulheres no Fisco do Março Lilás apresenta FMFi
Foto: Esq. p/ dir.: Darcy, Eunice, Rita Josina, Cléia, Valéria, Ana Maria, Gláucia, Marlene,SandraZenilse, Carlos, Mª de Lourdes, Glauba, Luca, Amilca  
Fechando as reflexões, FMFi abraça FMFi
Flor Lilás - Homenagem especial:
MULHER NO FISCO

NOTA
- SINTAF, Fundação Sintaf, AFBNB, AAFEC, Casa da Amizade Brasil/Cuba, CAFAZ,
AUDITECE e UFFEC são membros do Conselho Consultivo do FMFi e grandes apoiadores que contribuíram para a realização do evento. FMFi externa sinceros agradecimentos.
IMPORTANTE
- O Conselho Consultivo do FMFi é formado por membros e entidades
apoiadoras e mantenedoras. O FMFi não tem renda própria nem fins lucrativos.
Foto: Esq. p/ dir.: Cléia, Valéria, Gláucia, Glauba, Luca, Marlene, Ana Maria, SandraZenilse, Alexandrina, Mª de Lourdes e Rita Josina  
Mulheres do FMFi são candidatas  

Eleições 2014 são marcadas pela efetiva participação das mulheres coordenadoras do Fórum

Duas Coordenadoras do FMFi são candidatas a Deputada Estadual no Ceará*

Ana Maria Ferreira Cunha, membro do Conselho Deliberativo do FMFi, é Coordenadora de Ações Políticas e Relações Sociais do Fórum de Mulheres no Fisco, Diretora Intersindical do SINTAF/CE- Sindicato dos Fazendários do Estado do Ceará e Coordenadora de Comunicação do FUASPEC – Fórum Unificado das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos do Estado do Ceará. Ana Maria também é membro do Fórum em Defesa do SUS – Sistema Único de Saúde 

Valéria Mendonça, membro do Conselho Deliberativo do FMFi, é Coordenadora de Saúde do Fórum, Coordenadora Geral do Outubro Rosa no Ceará, Diretora Nacional de Gênero, Diversidade e Deficiência da FENASEPE – Federação Nacional de Servidores Públicos Estaduais e DF e Diretora de Eventos da Casa José Martí (Casa da Amizade Brasil/Cuba – CE). Valéria também é Coordenadora Geral e idealizadora do Movimento Março Lilás

*Ambas candidatas são militantes do Partido dos Trabalhadores (PT)

Coordenadoras do FMFi presentes:
Glauba Rocha, Gláucia Lima,
Ana Maria, Alexandrina Mota,
Cléia Saraiva e Valéria Mendonça.
8 de Março
Dia para celebrar as mulheres e suas lutas
Dia Mundial da Mulher. Mulheres cujas vidas são por si modelos de fraternidade, solidariedade, compaixão, fidelidade e dedicação em prol dos mais relevantes valores humanos. Mulheres anônimas ou conhecidas revolucionárias que, ao longo da história, contribuíram e contribuem para a construção de um mundo humanamente harmônico e fraterno, socialmente  justo, saudável e feliz.
O FMFi foi à Praça do Ferreira, Centro Histórico de Fortaleza, e celebrou com outras organizações de mulheres. Participou das diversas atividades políticas, culturais e artísticas por todo o dia 8. Na oportunidade, as coordenadoras do Fórum Gláucia Lima, Ana Maria Cunha e Valéria Mendonça, também coordenadora do Movimento Março Lilás, saudaram todas as mulheres reiterando o compromisso do FMFi com as lutas das mulheres em todo o mundo.


FMFi em cena no Mundo do Trabalho
Mundo do Trabalho é uma revista radiofônica produzida e apresentada pelo radialista Djacyr Oliveira que leva ao ar todos os sábados na rádio FM Universitária (107,9 MHz) notícias e informações variadas relativas aos trabalhadores e suas lutas. No ar, Djacyr entrevista  personalidades do mundo do trabalho, políticos e lideranças dos movimentos populares e estudantis.
Em 2013, o Fórum de Mulheres no Fisco- FMFi fez sua estréia no Mundo do Trabalho e desde então tem sido presença marcante na Rádio Universitária FM. Ocasiões em que as coordenadoras do Fórum levam ao ar a mensagem, as ideias e as metas do  grupo para a sociedade e reafirmam  o  princípio básico de ação do FMFi que é a busca da equidade.
As entrevistas são sempre animadas, mas sem perder o foco.
 Gláucia Lima e Rita Josiana abordaram o tema:  Mulher na sociedade, no trabalho, nas artes e nas eleições.
 Em outra oportunidade Gláucia Lima e Ana Maria Ferreira “cutucaram a onça” ao abordarem o tema “Segurança SIM, Vigilância Não!”, que tem sido palavra de ordem dos servidores da SEFAZ/CE.
 No Dia da Mulher, as participações foram de Sandra Pedrosa, Comissão dos Direitos Humanos da AL, Rita Josina, presidente da AFBNB, Valéria Mendoça, Movimento Março Lilás, Ana Maria Ferreira, diretora do SINTAF e Gláucia Lima, idealizadora  do FMFi, todas membros do Fórum.
 
Gláucia Lima, Francisco Malta e Djacyr Oliveira
Ao retornar de Cuba, o FMFi  relatou sua experiência na bela Ilha e Gláucia Lima – coordenadora geral e figura carimbada no Mundo do Trabalho compartilhou a experiência do Fórum na Grande Marcha na Plaza de La Revolución, em Havana. Debate acalorado com participação do advogado trabalhista e dos Direitos Humanos, Francisco Malta.
Gláucia Lima em uma de suas últimas participações concedeu entrevista por telefone, e discorreu sobre diversos assuntos relevantes para a mulher e a sociedade.
FMFi no Carnaval

FMFi convidado, entra no bloco, assume a mensagem e vai à avenida com Adeus Amélia
Ala FMFi brilha na avenida com Bloco Adeus Amélia 
Incorporando as lutas e os ideais de defesa dos direitos das mulheres, o FMFi aceita o convite, se transforma em Mulheres no Fisco da Alegria! e participa dos festejos mominos no bloco Adeus Amélia que tem apoio da Coordenadoria de Políticas Públicas para Mulheres da Secretaria de Cidadania e Direitos Humanos.
Na segunda-feira, 3 de março, Adeus Amélia entra na avenida e encanta o público. Mulheres no Fisco da Alegria!, última Ala do Bloco, entra com bandanas do Fórum, mostra empatia com a platéia e é aplaudido em toda a extensão do desfile.
Entoando o refrão ‘‘Adeus, adeus Amélia’’ e cantando os versos engajados do bloco, FMFi contagiou o público na avenida e fez todos cantarem com empolgação a mensagem da mulher consciente no cenário social - consciente, livre e politicamente correta.

FISCALIZARTE

Icapuí em Fatos e Fotos
Celebrando os 30 anos de emancipação da cidade de Icapuí, Zenilse Rebouças, Coordenadora de Esportes e Qualidade de Vida do FMFi e icapuiense da gema, realizou exposição registrando momentos desse município cearense.

Flor Lilás
Foto: Glauba Rocha, Coordenadora Cultural do Fórum, e sua exposição artesanal de materiais em EVA. A Flor Lilás, produzida por ela e entregue aos palestrantes, marcou encontro e deu leveza ao evento Mulheres no Fisco do Março Lilás.
  
130 anos da Abolição da escravatura no Ceará
Primeira província a libertar os escravos, quatro anos antes da Lei Áurea,
Mulher no Fisco da Liberdade!
A solenidade de abertura do encontro Mulheres no Fisco do Março Lilás celebrou os 130 anos da abolição na província do Ceará, local do evento, primeira província a proclamar a libertação da escravatura, no dia 25 de março, quatro anos antes da Lei Áurea.
A ação foi impulsionada pelo
“Movimento de Mulheres Libertadoras”.
Vídeo com o Hino do Estado do Ceará, abriu o evento Mulheres no Fisco do Março Lilás: Terra do Sol, do Amor, Terra da Luz!

AFBNB realiza encontro de representantes em Natal-RN
Atendendo convite da presidência, FMFi se faz presente

Rita Josina - Presidenta da AFBNB e
Membro do Conselho Consultivo do FMFi
 
Gláucia Lima - Coordenadora Geral do FMFi 
Aconteceu nos dias 4 e 5 de abril, em Natal-RN, a 45ª edição da Reunião do Conselho de Representantes da AFBNB (45ª RCR), com o tema “Eventos internacionais no Brasil: impactos econômicos, sociais e regionais”. No painel principal, os convidados Agassiz Almeida Filho (advogado, professor das Universidades Federais da PB e RN) e Juary Chagas (bancário da CEF e integrante da equipe nacional do Instituto Latino Americano de Estudos Sócioeconômicos - Ilaese).
Representando o FMFi, Gláucia Lima cumprimentou os presentese parabenizou a AFBNB pela iniciativa. Apresentou o vídeo institucional do Fórum e falou sobre a mobilização que vem sendo feita no sentido de romper com o preconceito contra a mulher. Ela divulgou a agenda do Fórum para os próximos meses e convidou todos a aderir ao grupo.
No programa, jantar e atividade cultural apresentando Gildomar Marinho (Conselheiro Fiscal da AFBNB), acompanhado do músico Hoto Júnior e declamação de Klévisson Viana.

AFBNB - Gestão Autonomia e Luta!
Reiterando a manutenção de bandeiras vitoriosas, a gestão
de Autonomia e Luta! tomou posse em 18 de janeiro. Eleita com mais de 70% dos votos, reuniu sindicalistas e amigos em confraternização com toda a direção. Presentes, representantes de entidades associativas e sindicais como Sintaf-CE e Fórum de Mulheres no Fisco (FMFi). A presidente reeleita Rita Josina reafirmou o compromisso de sua gestão no prosseguimento das lutas dos bancários do BNB.
Ana Maria Cunha, Gláucia Lima, Rita Josina e Alexandrina Mota
Em nome do Sintaf e do FMFi, Ana Maria Cunha Ferreira cumprimentou Rita Josina e demais diretores, afirmando ser importante ver uma diretoria cujo slogan adotado é ‘autonomia e luta’ à frente de uma associação de cerca de 5.000 filiados. “Presenciar a posse de uma mulher sozinha na diretoria de uma categoria que sofre sucessivos massacres ao longo dos anos, visto que está inserida diretamente no mundo financeiro, nos fortalece. Valeu muito!”, disse Ana.
Ao final, os presentes foram brindados com show da banda Dona Zefa.
Parabéns à gestão que assumiu. Desejamos sorte e sucesso!


TRIBUTO CULTURAL
Mulheres no Fisco da Luta!
FMFI homenageia mulheres que se destacaram na defesa da democracia, Com a Comenda “MULHER NO FISCO”

Lembrando os 50 anos do golpe militar, o FMFi prestou homenagem especial às mulheres cearenses que no período sombrio da ditadura militar brasileira tiveram participação efetiva, direta ou indireta, na luta contra o regime vigente.
Foram 21 anos de privação da liberdade, fechamento do Congresso Nacional, prisões, torturas, mortes, perseguições políticas, ameaças, perdas do emprego, censura permanente, medo, famílias separadas dos entes queridos...
Por tudo isso, não faltaram os mártires, os idealistas e os amantes da democracia que, mesmo na clandestinidade, lutaram com coragem e solidariedade, defendendo àqueles que se insurgiram contra os ditadores. Nesse universo, muitas mulheres esposas, mães, familiares ou amigas, se insurgiram.

Comenda MULHER NO FISCO

Mulheres no Fisco do Março Lilás homenageou, no dia 28 de março, três mulheres de luta com a comenda Mulher no Fisco e um buquê de flores lilás. Maria do Carmo Serra Azul, Mariazinha, fazendária foi presa e torturada (recebida por ela mesma), é também diretora da AAFEC – Associação de Aposentados Fazendários do Estado do Ceará e Diretora Adjunta de Aposentados do SINTAF/CE; Jana Barroso (in memorian), guerrilheira desaparecida aos 25 anos de idade no Araguaia, recebida por sua prima, a fazendária Clarissa Cavalcante Barroso; e, Gláucia de Castro Sá, militante social que contribuiu com a luta por democracia naqueles tempos sombrios (recebida pela deputada Eliane Novais).

Mulheres Serra Azul

O FMFi – Fórum de Mulheres no Fisco, em sua página nas Redes Sociais (twitter e facebook), prestou homenagem às irmãs Serra Azul: as fazendárias Iracema e Mariazinha e a professora Helena, que foram perseguidas, presas e torturadas nos anos de chumbo.


Leiam matérias na íntegra:
Mulheres no Fisco e na Luta! #DitaduraNuncaMais 
Mulheres brasileiras Serra Azul – nos 50 anos do golpe, as irmãs perseguidas na ditadura relembram sofrimento e evolução

Ditadura Nunca Mais! 50 anos do golpe militar...
Jana Moroni Barroso codinome: Cristina (Fortaleza, 10 de junho de 1948 – Araguaia,  (?) de 1974) uma guerrilheira brasileira, integrante da organização de extrema-esquerda Partido Comunista do Brasil, que combateu a ditadura militar brasileira na Guerrilha do Araguaia. Oficialmente consta como desaparecida política.
Vídeo com a canção “Apesar de Você” de Chico Buarque abriu a Solenidade.
Ser ¡Voz! http://glaucialimavoz.blogspot.com.br/2014/03/ditadura-nunca-mais-50-anos-do-golpe.html

Encarte

FMFi EM CUBA
Fórum vai a Cuba e se reúne com UNEAC, Federação de Mulheres Cubanas, realiza importantes visitas a centros históricos da Ilha e celebra junto com UNEAC o 1º de Maio

ABRIL VERMELHO - Reunião preparativa para a viagem à Ilha
FMFi e Casa da Amizade Brasil-Cuba se reuniram em 22 de abril, encaminhando os últimos detalhes para o embarque para a Ilha. Pelo Fórum estavam presentes Alexandrina Mota, Glauba Rocha, Gláucia Lima, Luca Vianni, Marlene Oliveira e Sandra Pedrosa. Pela Casa da Amizade Antonio Ibiapino (presidente), Eunice Bezerra (vice-presidenta) e a companheira, Maria Oliveira.
Na oportunidade, foi apresentado um vídeo sobre a revolução cubana. Em seguida foram feitas reflexões acerca do tema com troca de impressões sobre Cuba hoje. Também foi apresentado o vídeo institucional do FMFi - legendado em espanhol. Membros do FMFi debatem, com auxílio de slides, roteiro da programação e Agenda Oficial, que incluía a marcha no Dia 1º de Maio na Plaza de La Revolución, em Havana.

Federação de Mulheres de Cuba reafirma solidariedade
Em Havana respirou-se clima agradável de harmonia e fraternidade
Encontro do FMFi com a Federação de Mulheres Cubanas (FMC) acendeu a chama da solidariedade internacional e ratificou o propósito de ambas as entidades para construir formas comuns de atuação binacional visando ao fortalecimento das lutas de mulheres não apenas no Brasil e em Cuba, América Latina e demais países.
Na oportunidade, representando a Federação cubana, dra. Maira Soares, alertou para a necessidade de reunir todos os esforços de ambos os lados no sentido de alcançar conquistas para as mulheres em todas as esferas sociais, independente do país onde se encontrem.
Lembrou que a história também registra dificuldades enfrentadas pelas mulheres cubanas em diversas instâncias das relações sociais, que as mulheres cubanas também tiveram que lutar para obter as conquistas hoje alcançadas. Asseverou, entretanto, que se vive atualmente em Cuba um clima de fraternidade e respeito aos direitos das mulheres, conquista inalienável da condição feminina defendida pela Revolução.

na foto: participaram do encontro pelo *FMCMaira Soares – Diretora da Federação de Mulheres Cubanas, Yanira Kuper Herrera – Membro do Secretariado Nacional de Relações Exteriores, Elpidia Moreno Hernández – Funcionária Esfera de Relações Exteriores e o membro Nieves Caridad Kindelán Iglesia

FMFi se reúne com UNEAC
Encontro amistoso foi marcado pela fraternidade
Na manhã da terça-feira, 28 de abril, o Fórum de Mulheres no Fisco (FMFi) reuniu-se com representantes da União Nacional de Escritores Cubanos (UNEAC), na sede da entidade, em La Habana (Cuba). O encontro foi marcado pela cordialidade de ambos os grupos e revelou a disposição de todos, brasileiros e cubanos, na expectativa de avançar em realizações conjuntas no sentido de fortalecer as lutas comuns na defesa da equidade de gêneros.
Na ocasião, Juan Rogelio Rivero, diretor de Cultura Comunitária da UNEAC, fez uma apresentação da UNEAC mostrando diversos aspectos da instituição cubana, como missão, as linhas temáticas de trabalho da sua direção, as modalidades de ações e os principais objetivos da UNEAC.
Também apresentou a estrutura funcional da instituição e sues importantes departamentos, tais como de Gestão e Projetos e de Comunicação e Relações Públicas.
Rogelio Rivero se propõe a orientar na elaboração de projetos e como viabilizá-lo na comunidade.
Participaram do encontro:
*FMFi – Marlene, Alexandrina, Glauba, Luca e Gláucia
*UNEAC – Isbel, Nieves, Lucía, Merced, Tania e Rogelio
FMFi é apresentado
A Coordenadora Gláucia Lima apresenta o FMFi, fala como surgiu o Fórum, os objetivos do grupo, as ações empreendidas e que ações pretende desenvolver em nível de Ceará e Brasil com outros organismos congêneres - sempre com o objetivo de fortalecer e consolidar o grupo como protagonista de ações que visem à equidade de gêneros e a superação das desigualdades sociais típicas da sociedade capitalista.
FMFi é apresentado
A Coordenadora Gláucia Lima apresenta o FMFi, fala como surgiu o Fórum, os objetivos do grupo, as ações empreendidas e que ações pretende desenvolver em nível de Ceará e Brasil com outros organismos congêneres - sempre com o objetivo de fortalecer e consolidar o grupo como protagonista de ações que visem à equidade de gêneros e a superação das desigualdades sociais típicas da sociedade capitalista.

FMFi participa de evento internacional em Havana
Encontro reuniu em Havana grupos de Argentina, Brasil, Chile e Cuba
Identificar formas de mobilização e ações alternativas para enfrentar as desigualdades sociais e de gênero presentes nesses países. Essa foi a pauta predominante do encontro em Havana, na sede da União Nacional de Escritores de Cuba, na quarta-feira 30 de abril. Juan Rogelio Rivero, ao final, proporcionou um espetáculo bastante agradável com apresentações musicais e dançantes. Inclusive o FMFi brindou os presentes com um tango do cearense Evaldo Gouveia.
Rivero falou da UNEAC, dos objetivos de tornar a instituição cada vez mais presente nas atividades culturais do seu país e das ações da instituição, marcadamente integrada pela participação popular voluntária em toda Cuba. Rogelio também reiterou a intenção de aproximar os grupos e os países a partir de ações internacionais conjuntas entre todas as organizações nacionais com os mesmos objetivos de enfrentamento das adversidades existentes em cada país.
Entre os representantes dos países presentes houve manifestações sinceras de se promover a união de esforços no sentido de fortalecer as lutas das organizações voltadas para as lutas das mulheres e a busca da igualdade de gênero e das superações das desigualdades sociais típicas da sociedade capitalista. FMFi (em bom espanhol) reiterou as mesmas expectativas lembrando que as lutas das mulheres em defesa da igualdade de gênero no Ceará e no Brasil já contam mais de 80 anos.
1º DE MAIO = DIA DA CATEGORIA TRABALHADORA
Celebração da Luta, da Vida e da Dignidade da Categoria Trabalhadora

A mais impactante celebração do 1º de Maio, sem dúvida, é na Plaza de La Revolución, em Havana - Cuba. Convidado pela UNEAC – União de Escritores e Artistas de Cuba, organização com fins culturais e artísticos, para integrar sua ala na Grande Marcha do 1º de Maio na Ilha, o FMFi Desfilou e Celebrou a Luta e o Direito de Trabalhar e Viver com Dignidade!
 1º de Maio já é por si uma festa especial para todos os trabalhadores e todas as trabalhadoras do mundo, e, comemorar a data em Cuba tem sentido e sabor especiais. Ali agrupam-se povos de todo o planeta que fraternalmente celebram a unidade, a cidadania e a solidariedade.
A presença do espírito internacionalista e revolucionário de Che, acreditamos não ser possível sentir em nenhuma outra pátria como na cubana. Cada gesto de carinho e cada palavra proferida por seu povo ao identificar a nacionalidade brasileira traduzem-se sem medo: “Brazil y Cuba, hermanos...”

_na imagem da foto à direita:
Senhora de mais de oitenta anos de idade, no desfile do 1º de Maio, símbolo de determinação e resistência - valores do espírito da Revolução presentes em homens e mulheres de todas as idades!              
===>
Aproximadamente dois milhões de pessoas se agruparam na Praça da Revolução para a Grande Marcha do 1º de Maio. Junto à bandeira da UNEAC e de tantas e tantas outras, estavam as do Brasil e a do FMFi, trazidas pelos povos numa demonstração clara, fraterna e alegre, de determinação e superação, de Alegria e Luta!

RECONHECIMENTO
O Fórum de Mulheres no Fisco abre um pequeno espaço para fazer um importante agradecimento, reconhecendo que sem o auxílio, apoio, orientação e explicação dos dedicados e abnegados companheiros de Cuba, não teríamos logrado tamanho êxito.
Nossos sinceros ¡Muchas Gracias! a
Lucía Grisel Zamora Socías
Nieves Caridad Kindelán Iglesia
Isbel Santana Rodríguez
Tania Corp
Luis Caballero


Todos, agora, membros do FMFi em Cuba.